sexta-feira, 13 de março de 2020

SAÚDE MENTAL, FÍSICA E EMOCIONAL


                TEMA: SAÚDE MENTAL, FÍSICA E EMOCIONAL
EVANGELIZADORA: MARITA
INCENTIVO INICIAL:
Levar uma folha de cartolina preta em formato de nuvem e colar na parede.
As crianças deverão escrever em papelotes, tudo o que elas consideram coisas negativas.
Exemplos: briga, ciúme, discussão, água parada, fome, salgadinho, refrigerante, fofoca, palavrão, mentira, corrupção, lixo na rua, falar ao celular enquanto dirige, traição, bater em crianças, bater no cachorrinho, deixar coisas jogadas, comida estragada, preguiça, inveja, ambição, ódio, ressentimento, cobiça, irritação, indisciplina, poluição, pessimismo, etc.
Tudo o que escreverem deverá ser colado na cartolina.
CONTEÚDO TEÓRICO:
A higiene física ajuda a prevenir doenças de origem física.
A higiene mental ajuda a prevenir doenças de origem espiritual.
Somos corpo, perispírito e espírito.
Está tudo interligado: se o corpo adoece, o perispírito também. Nosso Espírito precisa estar alerta para corrigir os problemas, que não surgem à toa.
As doenças físicas podem ser causadas por vírus, bactérias, acidentes, etc., e são tratadas pela medicina. As doenças de origem espiritual são causadas por problemas de outras vidas ou desta, e algumas vezes por obsessores.
Exemplos de problemas de outras vidas que trazemos à atual, porque infringimos Leis de Deus:
Crianças que nascem com alguma deficiência física, como síndrome de Down;

·         doenças hereditárias, (lábio leporinos, nanismo)
·         câncer, (de fígado, de sangue)
·         diabetes,
·         doenças crônicas, (anencefalia...)
·         alergias, (rinites, asma, bronquites)
·         problemas de estômago, (hérnia de hiato)
·         suicídio
 São marcas profundas que ficam no CORPO ESPIRITUAL (perispírito) e ao encarnarmos trazemos essas marcas que se manifestam em nosso novo corpo físico.
O que fazer?
O contrário de tudo o que foi falado acima:

·         Perdão
·         Caridade
·         Amizade,
·         Compreensão
·         Respeito
·         Tolerância
·         Falar coisas boas
·         Bons pensamentos
·         Paciência
·         Bondade
·         Benevolência
·         Disciplina
·         otimismo 
·         estudo

O homem só é infeliz pela importância que dá às coisas deste mundo.
Disciplinar e edificar o pensamento através da fixação da mente em ideias superiores da vida, do amor, da arte elevada, do bem, da imortalidade, constitui objetivo moral da reencarnação, de maneira que plenitude, a felicidade sejam a conquista a ser lograda. Pensar bem é fator de vida que propicia o desenvolvimento, a conquista da vida.” (Joanna de Ângelis).
Os pensamentos e as palavras expressam os sentimentos que temos no coração.
O pensamento positivo é um hábito que se adquire praticando.
Através do pensamento é que se originam nossas atitudes, por isso a importância dos pensamentos otimistas.
Pensamentos negativos, pessimistas, são como lixo: poluem a mente e o corpo, ocasionando sensações ruins.
O que é saúde? – No dicionário:
1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital.
2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar.
O que podemos fazer para manter nossa saúde física? – cuidar de nossa alimentação, lavar bem as mãos, fazer sempre a higiene corporal, dormir ao menos 8 horas, brincar, se vacinar, não fumar, não beber alcoólicos, não usar drogas, etc.
E a saúde mental? – elevação dos pensamentos, ler bons livros, assistir bons filmes, se exercitar, frequentar bons lugares, pois a saúde mental é alimentada pelas nossas atitudes. (Lembrar-se do homem que veio fazer magnetismo, estava com problema de estômago, mas disse que não deixaria de beber).
Todos nós conhecemos frases do tipo: “Quem canta seus males espanta”, “O bom humor afasta as doenças”, “vive melhor aquele que ri mais” etc. Com isso, percebemos que o bem ou mal-estar mental/emocional, reflete-se em nosso estado físico.
Quem nunca ficou com dor de cabeça depois de um problema? Quem nunca ficou com o coração disparado e as mãos geladas ao se deparar com um perigo?
Alterações mentais como o estresse, depressão, medo, ansiedade, raiva, etc., podem provocar vários problemas orgânicos como: asma, rinite, úlcera, artrite reumatoide, hipertireoidismo, diabetes, hipertensão arterial, doença das artérias coronárias, derrame, enxaqueca, ...
FIXAÇÃO:
Imagine que você ganhou uma fazenda.
Mas não tem nada nele. Está cheia de mato, sem estradas, sem uma casa, sem, plantações, NADA.
O que você faria?
Mas eu tenho uma informação pra você: ESTA FAZENDA É SUA ENCARNAÇÃO.
Você não pode vender, alugar e devolver. Senão seria considerado um suicídio.
Vamos lá com as ideias.
Começamos por onde?
E assim pergunta-se à criança os procedimentos, imaginando que TUDO o que sugerir fará parte de sua encarnação atual.
TUDO fará parte de seu crescimento espiritual.
Você conseguirá fazer tudo sozinho (a)?
De quais pessoas você precisará?

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Contar a seguinte história:
Maria desde que soube que estava grávida sentiu-se muito angustiada e infeliz. Nem ela nem o marido queriam o filho. Discutiram muito. Maria estava decidida a abortar, só não o fazendo porque sua mãe prometeu ajudá-la, financeiramente, a criar o filho.
Quando João nasceu, sua mãe não conseguiu amamentá-lo direito. Mal começava a mamar, Maria tirava-o do seio dizendo que ele já tinha se alimentado o suficiente. A criança continuava com a sensação desagradável de fome. A privação do prazer de alimentar-se (necessidade básica) era registrada na sua memória emocional como falta de amor, como rejeição. João foi crescendo assim...
Maria era impaciente e, por nada, vivia batendo no filho. A criança não entendia por que apanhava, mas guardava a dor e a emoção de não ser amado.
Na escola João teve dificuldades de aprender a ler e seu comportamento tornou-se agressivo tal como fora criado. As dificuldades aumentaram. João não recebia os elogios que eram dirigidos aos colegas de melhor aproveitamento e conduta. Cada vez sentia-se mais rejeitado. Chegando à juventude, apaixonou-se por uma moça. O namoro corria normalmente até que, um dia, numa festa, a namorada deixou-o por alguns momentos para conversar educadamente com alguns amigos. João teve uma reação descontrolada. Provocou um escândalo, terminando o namoro. Ninguém entendeu o motivo daquela atitude.
                Para concluir: João, desde a vida intrauterina, registrou rejeição afetiva. Sua personalidade formou-se se sentindo rejeitado, o que lhe causava uma emoção muito desagradável.
As emoções acumuladas abriram-lhe uma “ferida” emocional: a rejeição.
Qualquer palavra ou atitude que tocasse essa sua “ferida” ou trauma, provocava uma reação emocional descontrolada. Daí o incidente com a namorada.
Perguntar: Na convivência com as pessoas é importante sabermos lidar com as emoções?
Através do diálogo, levar a refletir que devemos:
Ter cuidado com palavras ou atos para não atingirmos as “feridas” emocionais dos outros.
Educar as crianças com respeito e amor, evitando traumas e oferecendo segurança emocional, suavizando as situações traumatizantes quando inevitáveis.
Ter compreensão, benevolência e oferecer ajuda fraterna aos que têm dificuldades emocionais.
Não culpar quem nos educou. Quando jogamos culpa aos outros não estamos usando o nosso poder de transformação. Somos seres conscientes, e não robôs, ou seja, podemos mudar o que não está bem dentro de nós.
ATIVIDADE:
As crianças receberão a atividade abaixo com a seguinte proposta:
Numerar a primeira coluna de acordo com a segunda;
01.
Amor

Ciúme
02.
Saúde

Inveja
03.
Compreensão

Egoísmo
04.
Trabalho

Desrespeito
05.
Conhecimento

Desorganização
06.
Paciência

Impaciência
07.
Organização

Intolerância
08.
Limpeza

Maldade
09.
Caridade

Pessimismo
10.
Tolerância

Ódio
11.
Bondade

Doença
12.
Simpatia

Incompreensão
13;
Otimismo

Ignorância
14.
Disciplina

Preguiça
15.
Respeito

Sujeira
16.
Confiança

Antipatia
17.
Desapego

Indisciplina











terça-feira, 27 de agosto de 2019

A porta estreita - Livre Arbítrio - Escolhas


Tema: “A Porta Estreita”.

Incentivo Inicial: dinâmica:
Montar a sala com dois caminhos (usando as mesas e cadeiras da sala): um estreito e outro largo.
No largo (usando as cadeiras) colocar obstáculos.
Os evangelizandos deverão cruzar esse caminho com as cadeiras, mas devem escolher um número:
1 – pular em 1 pé
2 – andar de costas
3 - andar de olhos vendados
4 – carregar uma cadeira
5 – engatinhar
6 – andar em zigue-zague
7 – girar sobre si mesmo
8 – andar com um livro na cabeça
9 – andar com uma colher na boca equilibrando uma bolinha
Eles não podem esbarrar nas cadeiras senão começarão novamente.
Após todos chegarem ao outro lado, explicar o que esse caminho representa as escolhas que fazemos e que influenciam nossa jornada.

A seguir explicamos a mensagem de Jesus: A Porta Estreita

           “Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem." - Jesus (Mateus 7:13 e 14)

E contamos a seguinte história: Os irmãos gêmeos, usando 2 marionetes ou bonecos iguais

Eles são irmãos gêmeos, moraram sempre na mesma casa, comeram sempre a mesma comida, estudaram na mesma escola, mas cada um seguiu um caminho diferente. Vamos ver?
Breno sempre foi um menino legal. Todos gostavam de brincar com ele. Ele sempre perdoava os amigos que brigavam com ele.
Breno era amigo de todos. Sempre que via alguém precisando de uma ajudinha, ele fazia a caridade. Ele tinha amor aos seus pais e a todas as pessoas.
Sempre que ficava triste por algum motivo, fazia uma prece, pois ele tinha fé em Jesus e sabia que Jesus sempre ajuda a quem pratica a bondade.
Já Bruno era mentiroso, gostava de enganar as pessoas e ficar rindo delas.
Não tinha muitos amigos, pois era egoísta, não dividia seus brinquedos e brigava com todo mundo.
Ele tinha inveja das coisas dos outros. Na escola, Bruno dizia que era o melhor de todos, que era o bonzão em tudo.
Sempre que via alguém feliz com um brinquedo novo, ficava com raiva e tentava quebrar o brinquedo do outro.
Qual dos dois vai passar pela porta estreita que conduz à salvação?

Autor desconhecido