sexta-feira, 31 de março de 2017

Criação Divina - O Corpo - Diferenças e movimentos


Criação Divina – O Corpo
Seus movimentos e diferenças físicas
Evangelizadores: Ássima, Paulo e Thamy
Objetivos da Aula:

Apresentar as facilidades e dificuldades das diversas limitações físicas do nosso corpo, como aceitá-las e conviver ou auxiliar ao próximo com estas dificuldades.

Primeiro Momento: Fazer a prece inicial e distribuir a água fluidificada.

Segundo Momento: (dinâmicas)
Separar as crianças em dois grupos:
1.      Dinâmica da laranja:
Formar duas filas, entregar uma laranja na mão para a primeira criança de cada fila, pedimos para passarem até o final, agora pedimos para passar de volta, mas desta vez não poderão usar nem as mãos nem os braços.
Objetivo:
Demonstrar as dificuldades das limitações das pessoas que não possuem os membros superiores ou seus movimentos. Estimular a iniciativa e criatividade da criança para resolver suas limitações.
2.      Dinâmica da caixa secreta:
Continuar com os dois grupos, vendar o primeiro da fila, pedir para colocar a mão dentro de uma caixa com objetos e pedir para que descubram o que é cada um, passar ao próximo até o ultimo.
Objetivo:
Demonstrar as dificuldades das limitações das pessoas que não possuem a visão. Estimular os sentidos da criança, desenvolvendo melhor seus outros sentidos.
3.      Dinâmica da pintura com a boca
Distribuir papel e (*canetão) para as crianças, pedir para que façam um desenho, mas não podem usar as mãos nem os pés. (acabarão desenhando com a boca)
Objetivo:
Demonstrar as dificuldades das limitações das pessoas que não possuem movimentos dos membros inferiores e superiores, (tetraplégicos). Estimular a aceitação destas pessoas e a assistência, como acessibilidade, socialização, etc.
4.      Dinâmica da mímica:
Separar em duplas, sortear imagens para as duplas, pedir para que demonstrem as imagens para sua dupla mas não podem emitir nenhum som.
Objetivo:
Demonstrar as dificuldades das limitações das pessoas surdo/mudas.
Estimular os sentidos da criança, desenvolvendo melhor seus outros sentidos, estimular a socialização das crianças com pessoas com este tipo de limitação.

Terceiro Momento: devolutiva
Conversar com as crianças sobre as dificuldades encontradas em cada situação, aproveitar para explicar sobre a importância da socialização com estas pessoas com limitações, estimular perguntas e respostas das crianças. (poderá ser feito no intervalo de cada dinâmica para não acumular duvidas e explicações.).

Quarto Momento: Prece de Encerramento.

Evangelho no Lar

Aula de Jean
=================================================================

EVANGELHO NO LAR

Tema: O Evangelho no Lar
Objetivos: Comemorar aniversariantes do mês de março; demonstrar a importância da prece; demonstrar a importância do evangelho no lar, dando diretrizes de como ele poder organizado em casa pelas famílias dos evangelizandos.
Quadro Resumo
Atividade
Objetivo
Tempo de duração
Prece Inicial
Entrar em sintonia com espiritualidade superior
5’
Café da Manha
Servir café da manhã em comemoração aos aniversariantes do mês de março. Fazer um link entre o café e prece. Porque devemos agradecer a Deus por mais um ano de vida?
15’
Exposição de conteúdo
Conversar com as crianças sobre o que é o evangelho no lar.
10’
Dinâmica
Realizar dinâmica para demonstrar na prática o funcionamento do evangelho no Lar.
30’
Entrega de atividade
Entregar atividade para realizarem em casa e trazem na próxima aula.
5’
Entrega de roteiro
Entregar roteiro de evangelho no lar para entregarem aos pais.
5’
Prece Final
Realizar prece final
5’

1h15’

PRIMEIRO MOMENTO | Prece Inicial ( 5’)
SEGUNDO MOMENTO | Café da Manhã (15’)
Servir café da manhã em comemoração aos aniversariantes do mês de março. Fazer um link entre o café e prece (tema trabalhado durante todo o mês de março).
Questões norteadoras:
Para que serve a prece?
Como faço uma prece?
Quais as condições necessárias à prece?
Devo fazer prece só quando preciso de ajuda?
Porque devemos agradecer a Deus por mais um ano de vida?
Porque agradecer pelo alimento concedido?


Terceiro Momento | Exposição do Conteúdo
Expor o tema para as crianças.
Tópicos a serem abordados:
- Os ensinamentos de Jesus estão contidos nos Evangelhos (Mateus, Marcos, Lucas, João) escritos pelos seus discípulos. Os Evangelhos têm passagens suaves e consoladoras que revigoram nosso espírito e contém as regras de conduta moral que devemos seguir para nos tornamos felizes.
- Recomenda-se realizar com a família o culto do Evangelho no lar, pelo menos uma vez por semana, a fim de que a casa se transforme num ninho de amor, união, colaboração e perdão entre seus integrantes.
- O Espírito Néio Lúcio, através da psicografia de Chico Xavier, afirma que o primeiro culto cristão no lar  foi realizado por Jesus na  casa de Simão Pedro  (Seu apóstolo).
- O "Culto do Evangelho no Lar" é um poderoso instrumento de apoio moral para todas as pessoas que desejam realizar a sua reforma íntima, pois possibilita compreender melhor os Ensinos de Jesus e colocá-los em prática.   Ajuda-nos, também, a  enfrentar as dificuldades da nossa existência com mais fé e coragem e superar problemas de relacionamento pessoal seja na família ou na sociedade de uma forma geral .
- Evangelho no Lar é Cristo falando ao coração, pois o Mestre vive presente conosco através de suas lições. Segundo a promessa do Evangelho Redentor, "onde estiverem dois ou três corações em Seu Nome", aí estará Jesus, amparando-nos para a ascensão à Luz Celestial, hoje, amanhã e sempre.
- Quando os ensinos de Jesus são introduzidos em nosso lar,  modificam-se as palavras ofensivas, as expressões de desarmonia e de desconforto, dando lugar a condição de entendimento, de alegria e de paz. E aqueles que antes experimentavam antipatia pelos familiares, descobrem a necessidade de auxílio mútuo.
- Quando uma família ora em casa, estudando a revelação divina, recebe o auxílio dos Espíritos da luz. A família que cultiva a prece no lar transforma-o em fortaleza, pois recebe proteção contra influências espirituais negativas, favorecendo o trabalho dos espíritos protetores que atuam em nosso benefício.  Quando os corações estão unidos pela Fé, todos recebem bênçãos e alegria.
Como devemos realizar o culto do Evangelho no lar? Devemos escolher um dia da semana e um horário em que, pelo menos, a maioria dos familiares (adultos, jovens e crianças) possa participar. E disponibilizar um copo com água para cada participante, facilitando, assim, uma fluidificação da água de acordo com as necessidades de cada um. 
- A reunião deverá ser iniciada com uma prece, em voz alta, por um dos presentes, expressa de maneira simples, sempre usando o coração. Em seguida, iniciar a leitura de O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO que poderá ser efetuada de duas maneiras: leitura de maneira ordenada , pela qual o Evangelho deverá ser lido em sequência, ou abrindo-se uma página ao acaso , permitindo que a espiritualidade possa interagir nesse processo.  Devemos escolher um trecho do Evangelho que não seja longo demais. E após a leitura, deixar a palavra livre, numa sequência combinada, para que  os integrantes façam perguntas ou exponham sua interpretação. Também deverá ser lido o LIVRO DOS ESPÍRITOS além de acrescentar um livro infantil durante o evangelho no lar. Trinta minutos é o tempo ideal para essa reunião, apesar de não haver nada que a impeça de durar mais algum tempo. Para encerrar a reunião, deverá ser feita uma prece, agradecendo pela oportunidade do encontro e do estudo. E, após, beber a água fluidificada.

Perguntas para fixação:
1. Onde estão contidos os ensinos de Jesus?
2. Qual é a importância do Evangelho para nossa vida?
3. O que é o culto do Evangelho no lar?
4. Quem nos visita quando realizamos o culto do Evangelho no lar?
5. Por que o estudo do Evangelho nos auxilia na nossa reforma íntima?
6. Quais são os benefícios que recebemos quando a família cultiva a prece?
7. Qual livro costuma ser utilizado para realizar o culto do Evangelho no lar?
8. Qual é a importância de colocar um copo de água para cada participante nesta reunião?

Quarto Momento | Dinâmica (30’)
A proposta da dinâmica é demonstrar como acontece e o que acontece durante o Evangelho no Lar dos dois lados da vida.
Mecânica
Para compor o evangelho no lar contaremos com: família (encarnada), familiares, amigos e mentores (desencarnados), vizinho/a que atrapalhará o evangelho no lar (encarnada), espíritos sofredores beneficiados pelo evangelho no lar (desencarnados).
Será feito um sorteio para definir quais crianças representarão cada papel.
Feito isso, entre as crianças que ficaram com a representação da família encarnada ( 6 pessoas), serão divididos mais pedaços de papeis contendo as seguintes frases: 1-Prece inicial; 2- colocar água nos copos para fluidificar; 3 - leitura do trecho do evangelho (deverá ler um capítulo) e de o Livro dos Espíritos; 4- leitura de um trecho de livro infantil;  5- comentário dos trechos lido (obs.: podem ser vários alunos); 6- prece final de agradecimento. 
Os alunos deverão sentar em volta de uma mesa e o Evangelizador deverá explicar que todos irão aprender na prática como se realiza o culto do Evangelho no lar e que cada um receberá uma tarefa específica. O Evangelizador deverá escrever na lousa o dia e o horário do culto. Cada aluno deverá retirar um bilhete e fazer o que foi solicitado nele, conforme a sequência numérica. E por último devem beber a água fluidificada.
O evangelizador deve orientar que, enquanto o evangelho no lar acontece, os outros personagens (Vizinho/a e espíritos sofredores) devem interagir com a cena. A intenção é fazer com a que a família tome a atitude de convidar a vizinha para participar do culto, e não ser grosseiro com ela. Em relação ao espírito sofredor, a intenção é que ao fazer a prece, ele seja amparado pelos espíritos amigos que estão do outro lado acompanhando o evangelho no lar.

Quinto Momento | Entregar Atividade (ANEXO 1)
Entregar atividade para que possam realizar em casa e orientar a trazer na próxima aula.


Sexto Momento | Entrega de roteiro (ANEXO 2)
Entregar o roteiro de evangelho no lar para as crianças levarem para a família.

Sétimo Momento | Prece final

Sétimo Momento | Prece final










Querido evangelizando, não se esqueça de trazer esta atividade na próxima aula. E lembre-se sempre: nós amamos muito você!
ROTEIRO PARA REALIZAÇÃO DE EVANGELHO NO LAR - ANEXO 2

  O livro '' O Evangelho no lar'' da Editora IDE traz orientações de como se deve fazer o culto do Evangelho em casa:
            1. Determinar um dia da semana e um horário em que, pelo menos, a maioria dos familiares possa participar.
            2. Obedecer o horário e a presença dos participantes, que deverá ser sempre constante, a fim de que os Espíritos tenham um ambiente propício às suas atividades assistenciais nos dois plano da vida.
            3. É aconselhável que as pessoas se sentem ao redor de uma mesa para que todos os presentes possam efetivamente participar do estudo com a consequente permuta de impressões e esclarecimentos sobre o texto enunciado.
            4. Disponibilizar um copo com água para cada participante, facilitando, assim, uma fluidificação da água de acordo com as necessidades de cada um.
            5. A reunião deverá ser iniciada com uma prece, em voz alta, por um dos presentes, expressa de maneira simples, sempre usando o coração, sem a necessidade de frases ricamente elaboradas. Essa prece tem a finalidade de preparar o equilíbrio dos participantes, concorrendo a que cada um se desligue dos problemas do dia a dia e volte sua atenção para os ensinamentos de Jesus.
            6. Em seguida, iniciar a leitura de O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO, que poderá ser efetuada de duas maneiras: a) leitura de maneira ordenada , pela qual o Evangelho deverá ser lido em sequência, desde o primeiro capítulo, a fim de que todos tomem conhecimento do mesmo, na ordem em que foi escrito; ou b) abrindo-se uma página ao acaso , permitindo que a espiritualidade possa interagir nesse processo, pelo qual a página escolhida esteja condizente com as maiores necessidades do grupo. Essa segunda maneira é aconselhada quando todos os integrantes já conheçam o Evangelho; caso contrário, seria melhor seguir a sequência.
            7. Escolher um trecho do Evangelho que não seja longo demais e, se o for, poderá ser dividido para ler a outra parte na reunião seguinte. E após a leitura, deixar a palavra livre, numa sequência combinada, para que  os integrantes façam perguntas ou exponham sua interpretação, sempre no sentido de extrair-se o melhor para a evolução de todos, numa melhoria de seus atos no dia a dia.
            8. Se houver um integrante que detiver maior conhecimento sobre a Doutrina, caberá a ele dirimir as dúvidas que surgirem, mas, sempre, na predisposição de, se for o caso, pesquisar sobre o assunto. De qualquer forma, se não houver alguém com mais experiência, isso não é empecilho para não realizar o estudo do Evangelho no Lar, pois todos possuem raciocínio e inteligência suficientes para realizá-lo, sempre com muita fraternidade e espírito de pesquisa, afinal, os ensinamentos de Jesus são muito simples e de fácil compreensão.
            9. Considerando algumas poucas exceções necessárias, não são aconselháveis manifestações mediúnicas, tais como comunicações orais de Espíritos, psicografias ou passes, sendo que essas atividades devem ser realizadas nos Centros Espíritas.
            10. Nas reuniões do Evangelho no Lar, as atitudes de seus participantes são muito importantes para que o estudo transcorra em um clima de muita paz e de suaves emanações fluídicas. Por esse motivo, deve-se evitar assuntos que encerrem censuras, julgamentos, comentários daninhos ou inferiores dirigidos a pessoas,  a religiões ou qualquer outro tipo de diálogo não edificante.
            11. As crianças devem participar. Indica-se que os pais utilizem livros infantis para leitura e realizem adequação do ao  entendimento delas. E essa é uma boa prática porque, aos poucos e gradativamente, elas muito irão aprender.
            12. Trinta minutos é o tempo ideal para essa reunião, apesar de não haver nada que a impeça de durar mais algum tempo. De qualquer maneira, sugerimos não ultrapassar quarenta e cinco minutos.
            13. Em caso de visitas repentinas, estas deverão ser informadas sobre a prática da reunião familiar em torno do Evangelho de Jesus, e deverão ser convidados a participar. Se for o caso, escolher algum assunto que não venha a constrangê-las, de preferência um tema já estudado e comentado por todos. Não devemos nos esquecer de que, talvez, essa visita tenha sido programada pela Espiritualidade, com o propósito de que essa pessoa, ou pessoas, tome contato com os ensinamentos de Jesus.
            14. Muitas vezes, algum integrante da família poderá ter a necessidade de se ausentar. Caso isso ocorra, os demais devem continuar a reunião, aproveitando para emitir benéficas vibrações mentais em torno do ausente.

            15. Para encerrar a reunião, deverá ser feita uma prece, agradecendo pela oportunidade do encontro e do estudo. E, após, beber a água fluidificada.