terça-feira, 27 de agosto de 2019

A porta estreita - Livre Arbítrio - Escolhas


Tema: “A Porta Estreita”.

Incentivo Inicial: dinâmica:
Montar a sala com dois caminhos (usando as mesas e cadeiras da sala): um estreito e outro largo.
No largo (usando as cadeiras) colocar obstáculos.
Os evangelizandos deverão cruzar esse caminho com as cadeiras, mas devem escolher um número:
1 – pular em 1 pé
2 – andar de costas
3 - andar de olhos vendados
4 – carregar uma cadeira
5 – engatinhar
6 – andar em zigue-zague
7 – girar sobre si mesmo
8 – andar com um livro na cabeça
9 – andar com uma colher na boca equilibrando uma bolinha
Eles não podem esbarrar nas cadeiras senão começarão novamente.
Após todos chegarem ao outro lado, explicar o que esse caminho representa as escolhas que fazemos e que influenciam nossa jornada.

A seguir explicamos a mensagem de Jesus: A Porta Estreita

           “Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem." - Jesus (Mateus 7:13 e 14)

E contamos a seguinte história: Os irmãos gêmeos, usando 2 marionetes ou bonecos iguais

Eles são irmãos gêmeos, moraram sempre na mesma casa, comeram sempre a mesma comida, estudaram na mesma escola, mas cada um seguiu um caminho diferente. Vamos ver?
Breno sempre foi um menino legal. Todos gostavam de brincar com ele. Ele sempre perdoava os amigos que brigavam com ele.
Breno era amigo de todos. Sempre que via alguém precisando de uma ajudinha, ele fazia a caridade. Ele tinha amor aos seus pais e a todas as pessoas.
Sempre que ficava triste por algum motivo, fazia uma prece, pois ele tinha fé em Jesus e sabia que Jesus sempre ajuda a quem pratica a bondade.
Já Bruno era mentiroso, gostava de enganar as pessoas e ficar rindo delas.
Não tinha muitos amigos, pois era egoísta, não dividia seus brinquedos e brigava com todo mundo.
Ele tinha inveja das coisas dos outros. Na escola, Bruno dizia que era o melhor de todos, que era o bonzão em tudo.
Sempre que via alguém feliz com um brinquedo novo, ficava com raiva e tentava quebrar o brinquedo do outro.
Qual dos dois vai passar pela porta estreita que conduz à salvação?

Autor desconhecido

sábado, 4 de maio de 2019

OBEDIÊNCIA


Tema: OBEDIÊNCIA



Objetivo: desenvolver nas crianças a necessidade da Obediência, para que nossa vida seja tranquila e estejamos em paz com todos.

Incentivo inicial: mostrar imagens ou desenhos que envolvam a Obediência.
Exemplos:
·        Sinais de trânsito
·        Ir para a escola
·        Escovar os dentes
·        Arrumar o quarto
·        Dormir quando convidados
·        Não utilizar o celular, ou vídeo game demais
·        Comer alimentos saudáveis
·        Obedecer aos horários
·        Etc.
Outro exemplo de incentivo inicial: colocar embaixo das cadeiras ou espalhadas na mesa as letras do tema e as crianças deverão formar a palavra da aula: OBEDIÊNCIA.

Conteúdo doutrinário:
·        As obediências às Leis de Deus e o acatamento das determinações daqueles que Ele coloca em nosso caminho como orientadores na presente existência (pais, mães, professores, evangelizadores, etc.), são virtudes que todos devemos conquistar;
·        Encontramos no Evangelho significativos exemplos de obediência: O Cristo, obedecendo aos desígnios de Deus, encarnou entre nós; Maria aceita sem contestação Jesus como seu filho amado; José se sacrifica para atender às instruções espirituais que lhe determinam, como defender e amparar o menino Jesus; os magos obedecem à Divina Revelação e buscam o Cristo; os apóstolos buscam acatar os ensinamentos do Mestre, etc.
·        A obediência aos pais, professores, patrões e a todos a quem servimos ou devemos respeito, n~]ao significa fraqueza ou falta de personalidade, mas, coragem, desprendimento e compreensão do que é a vida e de nossas necessidades. (O que acontece a um funcionário de uma empresa que não respeita o chefe, não faz o trabalho que lhe é passado, que não respeita os horários de chegada?)
·        Obedecendo aos pais e responsáveis é confiar neles. (Nossos pais e responsáveis exigem que lhe obedeçamos, porque se não formos disciplinados em nossas atividades, jamais seremos respeitados e sofreremos muito, e isso eles não querem)
·        Quem obedece vive em segurança e inspira confiança; (O que seria do trânsito se ninguém obedecesse as regras impostas? Se os motoristas não obedecessem ao sinal? Com certeza seríamos atropelados e sofreríamos acidentes. A segurança do trânsito implica necessariamente na obediência);
·        Devemos obedecer sempre e, além de executar as ordens recebidas, acrescentar algo de nossa parte, como empenho, boa vontade, sinceridade e abnegação. (No trabalho, principalmente, devemos executar todas as ordens recebidas e demonstrarmos que ficamos felizes em cumpri-las, caso contrário seremos demitidos);
·        Ser obediente é ser resignado, aceitando a vontade de Deus, frente a tudo que não podemos mudar, embora o desejássemos. (Vejamos o caso de uma pessoa que não aceita ser pobre, e ela passa a roubar para ter o que deseja. O que acontece com ela?)
·        A obediência construtiva é antes de tudo o desempenho consciente de nosso dever diante de Deus e dos semelhantes. (Porque se não obedecermos, teremos que resgatar de alguma maneira a desobediência, seja nessa vida ou em outra.)
·        A obediência liberta as consciências, induzindo-nos ao serviço fiel e honesto, onde fomos colocados sem melindres ou desajustes. (Quando temos a consciência tranquila de que cumprimos com todas as nossas obrigações, seremos felizes.)
·        Na vida temos inúmeros exemplos de obediência e do que fazer se não formos obedecidos.
·        “Se aspirar à vitória no objetivo, segue, dia a dia, no trato da obediência.”
o   O que fazer se não conseguirmos modelar a argila? – Jogamos fora
o   O que fazer se as cordas de um instrumento musical não aceitar a afinação – Substituímos
o   O que fazer se uma torneira não para de pingar? -  Trocamos
o   O que fazer se o teclado do computador troca os dígitos? – Trocamos por um novo
o   O que fazer se o coração não bombear o sangue corretamente? – Fazemos um transplante
·        Devemos atender com perfeição aos deveres que nos foram conferidos.
·        Cada qual necessita conhecer as obrigações que lhe são próprias.
·        A grande questão é obedecer a Deus, amando-O, e servir ao próximo de boa vontade.
·        Toda criatura obedece a alguém ou a alguma coisa.
·        O homem obedece a toda hora.
·        Quase sempre transforma a obediência que o salva em escravidão que o condena.
·        Deus determinou que o homem Lhe aceitasse os desígnios para ser verdadeiramente livre.
·        A quem obedeces? Acaso, atendes, em primeiro lugar, às vaidades humanas ou à opiniões alheias antes de observares o conselho do Mestre Divino?
·        Quando atendermos aos ensinamentos vivos de Jesus, quebraremos a escravidão do mundo e seremos livres.
·        Bem aventurado é aquele que se deixa aperfeiçoar.
·        A obra do bem, quando realizada para todos, permanece eternamente.
·        Obedecer é colocarmo-nos na posição de colaboradores que fazem jus ao salário recebido.

Do Livro Agenda Cristã de André Luiz psicografado pelas mãos de Chico Xavier:
Imperativos Cristãos
Aprende – humildemente
Ensina – praticando
Administra – educando
Obedece – prestativo
Ama – edificando
Teme – a ti mesmo
Sofre – aproveitando
Fala – construindo
Ouve – sem malícia
Ajuda – elevando
Ampara – levantando
Passa – servindo
Ora – serenamente
Pede – com juízo
Espera – trabalhando
Crê – agindo
Confia – vigiando
Recebe – distribuindo
Atende – com gentileza
Coopera – sem apego
Socorre – melhorando
Examina – salvando
Esclarece – respeitoso
Semeia – sem aflição
Estuda – aperfeiçoando
Caminha – com todos
Avança – auxiliando
Age – no bem geral
Corrige – com bondade
Perdoa – sempre.

Fixação: contar a história “Rebeldia” do livro Alvorada Cristã, cap. 6, O aprendiz desapontado cap. 24, o barro desobediente cap. 29 e ou apontamento cap. 37.
Também pode contar a parábola de Jesus: “A parábola dos Dois filhos”.
Ou a do “O Grilo Perneta” de Roque Jacintho”.

Atividade: pode ser um jogo onde elas aprendem que se não obedecerem às regras do jogo, não dá pra participar;
Também se pode pedir às crianças que desenhem uma situação que traduza uma obediência que elas precisam cumprir.
Baseado no livro “O Grilo Perneta” dá pra levar o desenho do grilo pela metade, e as crianças deverão completar as partes faltantes, onde poderão desenhar ou não a perninha que ele perdeu.